Cortadas as luzes da SEPLAN e SEFAZ. Servidores continuam sem receber salários: o governo é um cadáver em decomposição.

Momento em que técnicos da BOVESA interrompem o fornecimento de energia da Secretaria da Fazenda

Hoje pela manhã a BOVESA interrompeu o fornecimento da energia elétrica para a SEFAZ – Secretaria de Estado da Fazenda, e SEPLAN – Secretaria de Planejamento – do Governo do Estado de Roraima, por falta de pagamento. A ação deve se estender a outros órgão do Executivo pelo mesmo motivo. Com salários em atraso, os servidores nem precisam mais decretar a greve geral. A Boa Vista Energia resolveu a parada!

A polarização da campanha presidencial tirou o foco da eleição local. Nas redes sociais o eleitor pouco se manifesta sobre a preferência por um ou outro candidato ao governo de Roraima no segundo turno. O que ainda se vê são manifestações de cabos eleitorais travestidos de formadores de opinião com postagens que não passam de fofocas de botequim. Talvez a causa seja a falta de opção e a certeza do eleitor de que, qualquer que seja o eleito, as coisas não mudarão substancialmente para a população em geral.

Se um dos candidatos já administrou o Estado e conhecemos bem o seu perfil, o outro não conseguiu empolgar e emplacar a esperança da mudança pra melhor, pois é nítido o seu comprometimento com um grupo econômico, estando longe de representar candidatura popular. Ocorre que qualquer coisa é melhor do que o governo que expira. Na verdade, já expirou. O que vemos é uma administração zumbi, movida a controle remoto.Já se previa que o Executivo não teria como pagar os salários dos servidores da administração direta, após as eleições do primeiro turno – os da administração indireta já estavam sofrendo atrasos há vários meses -, e provavelmente só a governadora tinha alguma expectativa de que fosse para o segundo turno. Foram quatro anos de lenga-lenga, de chororô: “Peguei o Estado endividado”. “Os poderes aumentaram seus duodécimos acima da capacidade do Tesouro”. “A imigração desordenada inviabilizou a prestação dos serviços públicos”.

O que faltou foi liderança política e administrativa. Quando os poderes resolveram aumentar seus duodécimos, era para a governadora promover a sua articulação política na Assembleia Legislativa e junto ao presidente do Poder Judiciário, num primeiro momento. Em não obtendo sucesso, bater na mesa e mobilizar a opinião pública, que em Roraima é maioritariamente composta por servidores, direta ou indiretamente. Quando anunciasse que tal aumento dos repasses, somado às dívidas já acumuladas, inviabilizaria os pagamentos dos salários, eu mesmo seria um dos primeiros a ir pra rua em protesto. Ela angariaria ainda o apoio dos familiares dos servidores e da maioria dos comerciantes da capital e do interior, que também dependem da economia do contracheque, principalmente em fim de ano, quando, além da folha regular, os empresários têm que pagar o 13º salário dos seus funcionários. Mas a chefe do Executivo, como em todo o seu governo, se omitiu!

A impressão que se teve foi a de um teleguiado controlado pelos familiares. Não houve articulação política, ação administrativa, iniciativa física, mesmo, da governadora. Quantas vezes ela esteve em secretarias para averiguar o funcionamento in loco? Quantas vezes foi ao HGR à noite para vivenciar a realidade dos plantões? Não se tem notícia de visitas à Penitenciária Agrícola de Monte Cristo, em momento algum! Nem quando das fugas em massa.

Hoje nós poderíamos ter uma penitenciária nova e moderna. O primeiro repasse da verba tomou Doril. E ficou por isso mesmo! “Estamos investigando”, foi a tônica. Resultado: o crime agradece. A PAMC continua sendo hotel de trânsito para os bandidos.

Os servidores, coitados! Se ainda tinham alguma esperança de receber os atrasados hoje ou amanhã… essa esperança se esvaiu no lance de corte da luz na SEFAZ e SEPLAN, as duas secretarias encarregadas do planejamento e da execução orçamentária. E isto vale para tudo o mais. Diagnosticada a morte cerebral do governo, resta-nos desligar os aparelhos, para que vá em paz. O que a BOVESA já começou a fazer. Que Deus tenha compaixão DE NÓS!

 

2 comentários em “Cortadas as luzes da SEPLAN e SEFAZ. Servidores continuam sem receber salários: o governo é um cadáver em decomposição.”

  1. Descrição do cenário do Governo de Roraima atual perfeito. Que Deus nos proteja! E guie o próximo Governador, pois irá precisar.

Deixe um comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.